O que é inflação? Causas e consequências

Saiba as causas e consequências da inflação no país. Veja também dicas importantes para proteger o seu dinheiro.

O que é inflação? Causas e consequências

Uma frase econômica comum usada para descrever o aumento geral dos preços na sociedade é “inflação”. Ela representa um aumento no custo de vida para consumidores e empresas como resultado do aumento dos preços dos produtos e da desvalorização da moeda.

Indicar que o preço de um produto aumentou é quando vemos que ele está mais caro agora do que antes. Porque os reajustes nas taxas do salário mínimo são normalmente feitos em conjunto com as taxas de inflação, esse procedimento normalmente não impacta negativamente o consumidor.

Como os reajustes salariais levam mais tempo para serem executados, reduzindo o poder de compra do consumidor na maior parte do ano, a inflação só se torna prejudicial para a sociedade quando seu nível se eleva em níveis extremamente altos e em ritmo acelerado.

Cinco dos 13 itens examinados pela organização lideraram a lista dos mais inflacionários nos 12 meses anteriores. Além do tomate, os principais itens da lista também incluem café, açúcar, batata e leite.

Somente em 2022 os preços aumentaram de maneira significativa, enquanto o preço do café aumentou 12,14%. Batata e leite, dois itens essenciais nas mesas dos trabalhadores, aumentaram 23,38% e 19,41%, respectivamente.

Tópicos:

  • ​​​Causas da inflação
  • Como a inflação é calculada?
  • Quais são os principais índices de inflação no Brasil?
  • Consequências da inflação
  • Como se proteger da inflação?

​​​Causas da inflação

​​​Causas da inflação

A inflação é o aumento dos preços dos produtos e serviços durante um determinado período. O desequilíbrio entre oferta e demanda, aumento dos custos de produção, aumento da emissão de papel-moeda, expectativas de mudanças na taxa de inflação e inércia são fatores que contribuem para a inflação.

Existem muitos fatores que contribuem para o aumento do custo de bens e serviços, incluindo políticas e ações governamentais, processos produtivos, demanda do consumidor e até previsões sobre o comportamento futuro da própria inflação.

Confira a lista dessas causas e uma breve explicação de cada uma abaixo.

  • Os preços podem aumentar se houver alta demanda por um determinado bem ou serviço, mas oferta inadequada para atender a essa necessidade. Com isso, há uma tendência de aumento de preços devido à menor disponibilidade desses itens no mercado. Esta causa é considerada um contribuinte legítimo para a inflação.
  • O papel-moeda é o dinheiro do país impresso nas cédulas por um órgão do governo, como o Ministério da Fazenda. Há um aumento geral dos preços e um aumento da inflação quando a quantidade de dinheiro em circulação excede a quantidade de bens e produtos disponíveis para compra. Isso também ocorre quando os gastos do governo excedem a receita e surge a necessidade de emitir mais papel-moeda.
  • Os maiores custos de fabricação de um determinado produto acabam sendo repassados ​​ao consumidor final na forma de aumentos de preços. O mesmo pode ser observado no caso de uma diminuição geral na oferta de serviços.
  • A expectativa de aumento da inflação pode levar a um aumento dos preços e dos custos dos serviços para antecipar o que vem pela frente e elevar a taxa de inflação. Essa expectativa é resultado de uma ampla gama de fatores, incluindo crises políticas, guerras e conflitos internacionais, entre outros.
  • Acontece quando o preço dos serviços se valoriza, como aluguéis de imóveis, e os preços são elevados com base na inflação de um período anterior chamado de indexação, o que eleva ainda mais o limite onde a inflação atual é calculada.

Como a inflação é calculada?

Como a inflação é calculada?

É calculado usando índices de preços, que às vezes são chamados de índices de inflação. Os dois índices de preços mais significativos são produzidos pelo IBGE: o IPCA, que o governo federal considera oficial, e o INPC.

Ambos têm o mesmo objetivo, comparar as variações de preços de uma seleção de bens e serviços que o público utiliza. O resultado demonstra se os preços aumentaram ou diminuíram de um mês para o outro.

Quais são os principais índices de inflação no Brasil?

Por que existem diferentes índices de inflação se todos eles têm o objetivo de mostrar o aumento dos preços? Isso porque cada índice de preços tem um escopo único em relação aos itens que mede.

Por exemplo, o indicador de inflação para bens de consumo difere daquele para o custo da gasolina ou da produção industrial. Essa distinção é muito mais significativa em períodos de alta inflação.

Isso é verdade porque os preços dos bens e serviços não apresentam a mesma variação. Assim, alguns indicadores ajudam a identificar quais áreas requerem maior ação para controlar a inflação.

Diante disso,vejamos alguns dos principais indicadores de inflação para a economia brasileira agora. Porque eles têm mais efeitos diários.

  • IPCA (Índice de Preços ao Consumidor Amplo) A medida oficial da inflação brasileira é o IPCA. Isso significa que o indicador é um ponto de referência para o sistema de metas de inflação que rege a economia do nosso país. Medir as variações de preços de bens e serviços destinados ao consumidor final é o objetivo do IPCA. O IPCA é calculado coletivamente pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), e o índice é divulgado sempre na primeira e na segunda semana de cada mês.
  • IGP-M (Índice Geral de Preços do Mercado) Com os bens que são entregues ao consumidor, o IGP-M inclui os custos dos serviços utilizados neste processo. Como resultado, ele é considerado um indicador mais abrangente que o IPCA. O IGP-M é frequentemente o indicador utilizado para reajustar os contratos. Os mais prevalentes nesse sentido são os Aluguéis, sendo frequentemente usado no medidor.
  • IPC (Índice de Preços ao Consumidor) Para famílias que ganham entre um e 33 salários mínimos mensais, o IPC acompanha a evolução dos preços no mercado. A mesma lista de bens é considerada no cálculo do IPC como no IPCA. No entanto, apenas oito grandes cidades: São Paulo, Rio de Janeiro, Belo Horizonte, Brasília, Salvador, Recife e Porto Alegre — estão incluídas na pesquisa para o cálculo do IPC.
  • INCC (Índice Nacional de Custo de Construção) Você deve estar ciente do INCC se estiver ponderando financiar um imóvel. O objetivo deste indicador é acompanhar a evolução dos custos dos investimentos realizados na construção de moradias. Ele determina o custo dos materiais e mão de obra utilizados no projeto a este respeito.

Consequências da inflação

Consequências da inflação

Um efeito cascata da inflação é visto na economia, com muitas implicações para outras áreas além da economia, como política e sociedade. As consequências disso são:

  • pobreza da população;
  • diminuição do poder de compra da população;
  • aumento dos preços dos produtos em geral;
  • oportunidades de emprego reduzidas;
  • elevar o nível de pobreza de uma sociedade;
  • crescimento das taxas de juros;
  • declínio dos investimentos internacionais;
  • declínio da qualidade de vida humana;
  • concentração populacional de renda;
  • diminuição dos investimentos públicos e privados no setor manufatureiro.

Como se proteger da inflação?

Saiba como se proteger da inflação em quatro etapas:

  • Renda fixa — Veja as atividades ligadas à inflação. Esses investimentos, em sua maioria de renda fixa, permitem que o capital utilizado reflita o desempenho do indexador. Como resultado, durante os períodos de alta inflação, o dinheiro replicará esse comportamento e garantirá que seu poder de compra seja protegido.
  • Moeda estrangeira — Ter exposição a moeda estrangeira. Manter uma parte de sua riqueza em uma moeda estrangeira poderosa, como o dólar, é uma maneira de se proteger da inflação. Desta forma, durante esses movimentos econômicos mais defensivos, essa parcela tende a se valorizar com o dólar.
  • Taxas de Juros — Fique atento aos investimentos vinculados a taxas de juros. Por fim, seja cauteloso com atividades vinculadas aos custos das taxas de juros durante um período de inflação elevada. Isso se deve ao fato de que é comum neste clima econômico que eles não consigam compensar a inflação.
  • Investimento imobiliário — A popularidade dos fundos de investimento imobiliário tem crescido entre os pequenos investidores. É um tipo de venda variável que permite a entrada no mercado imobiliário com pouco investimento de capital.

Leia Também:

Gostou das dicas citados neste artigo? Esperamos que você saia desta página preparado para enfrentar a inflação. Obrigado por ler!

Perguntas frequentes

Vamos agora esclarecer as principais dúvidas sobre como lidar com a inflação.

O que é deflação?

Ao contrário de um cenário de inflação, quando os preços sobem, quando há deflação, os preços caem. Mas uma deflação é mais que apenas uma inflação que desacelerou. Quando a inflação está em terreno desfavorável, ocorre a deflação.

O que fazer para reduzir a inflação?

Mesmo durante os períodos econômicos mais difíceis, você pode evitar gastos desnecessários, substituir produtos e equilibrar suas contas.

O que é a taxa Selic?

A taxa Selic é a taxa básica de juros no Brasil, ou seja, será adicionada a todas as outras taxas, tanto para quem paga como para quem recebe. Por isso, ela é fundamental para qualquer pessoa que faça um investimento ou financie uma instituição financeira.